Pesquisar
Close this search box.

DIOCESE
DE PATOS

Saudações patoenses

O aniversário de emancipação política desta nossa cidade de Patos é também uma ocasião para relembrarmos e reconhecermos o que cantamos há exatamente um mês: desde o seu primeiro dia, esta terra e seu povo contam com a materna companhia da Virgem Mãe de Deus, Nossa Senhora da Guia, da fé pura e edificante no Deus de Maria, que a todos ampara e sustenta ao longo da história e seus inúmeros desafios.

De fato, a fé mariana, que proclama a exaltação dos humildes, habita o coração desta cidade desde seus primórdios e assiste seu desenvolvimento desde os tempos do pequeno povoado ao redor da lagoa até os dias atuais nos quais vemos a capital do sertão crescer cada dia, graças a esperança do seu povo que não se cansa de lutar e acreditar no amanhã e seus dias melhores.

O clima tão quente desta morada do sol não afugenta seus moradores, pois reflete sua vocação para o brilho, para a luz, para o calor de um povo vivo, cheio de energia para trabalhar e construir novos sonhos. O sol é nosso irmão e companheiro bem próximo. Ele reveste a Padroeira que tem a lua debaixo dos pés! Seu fulgor ilumina revelando a beleza no esplendor de faces sofridas, mas alegres, radiantes, temerosas, confiantes, iludidas, decididas, pacientes, compassivas, sorridentes e hospitaleiras. Faces de uma gente sertaneja que acolhe o mundo com alegria, venha de onde vier.

Caros patoenses, de fato ou de coração como eu, saudemos neste dia quem fez e faz esta cidade acontecer. Seus heróis do passado, pioneiros construtores da terra das espinharas. Seus valentes protagonistas do presente, encenando com a vida o espetáculo da sobrevivência no progresso, da alegria na peleja, da vitória festejada e tão sofrida. Saudemos Fernando Gomes e Amaury de Carvalho! Saudemos Ernani e Edivaldo! Nabor e Dinaldo! Geralda e Francisca! Expedito, Gerardo e Manoel! Marias e Luzias, Antônios e Nivaldos que desenham com arte, emoção, justiça e fé a cidade de seus sonhos, do labor de cada um, na medida que puder.

Rodrigo Trindade  – Pascom diocesana

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS