DIOCESE
DE PATOS

Patos celebra o Grito dos Excluídos

Com a articulação das pastorais sociais da diocese de Patos o 28° Grito dos Excluídos aconteceu em meio a um contexto social preocupante.

O 28° Grito dos Excluídos traz como tema VIDA EM PRIMEIRO LUGAR, e como lema: 200 anos de (in)dependência, pra quem?

Criado a partir da Segunda Semana Social Brasileira em 1995 a partir da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), o Grito dos Excluídos é um movimento que une diversas atividades como rodas de conversas, grupos de estudos, assembleias, entrevistas, etc, e culmina com o ato na semana da pátria no dia 07 de setembro.

Esse ano o movimento iniciou com o encontro do Pilar da Caridade formado pelas Pastorais da Criança, Pastoral Carcerária, Pastoral do Menor, Pastoral da Pessoa Idosa, Ação Social Diocesana de Patos, Casa da Divina Misericórdia e Fazenda da Esperança. O Encontro avaliou as edições anteriores e traçou um planejamento para o 28° com a formação de uma comissão.
Em seguida, já com os movimentos sociais, sucederam encontros para encaminhamentos.

Além das reuniões de articulação ocorreram ações como a assembléia realizada na Paróquia Nossa Senhora das Neves com mais de 70 pessoas, entrevistas em programa de rádio, matérias em sites e redes sociais, uso da tribuna na Câmara de Vereadores de Patos e culminou com o ato na manhã do dia 07 de setembro.

O ato teve início com café da manhã na praça e em seguida teve sua abertura com a mística organizada pelo MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) que envolveu algumas pessoas presentes no evento. Em seguida houve uma apresentação da equipe de karate da Pastoral do Menor da Paróquia Nossa Senhora das Neves seguido por uma apresentação do Coletivo de Mulheres APOENA. Por fim, houve a abertura para o espaço de fala de representantes de diversas entidades presentes.
Além das Pastorais e Movimentos da Igreja estavam presentes grupo de Quilombolas, Movimento de Mulheres Olga Benário, Coletivo de Mulheres Apoena, UAC, acampamento dos sem teto dos Sapateiros e Serrote Liso, moradores de rua, MST, UJS (União da Juventude Socialista), UP (Unidade Popular Pelo Socialismo), AABB Comunidade, entre outros.

O ato finalizou com uma caminhada até a catedral de Nossa Senhora Daguia onde o padre Sebastião fez uma fala profética representando o clero e chamou todos os presentes a oração do Pai Nosso, em seguida convidou a todos para o almoço solidário encerrando o ato.

Por: José Emídio

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS